sábado, novembro 08, 2008

DO ALTO DA TORRE !
















Dínamo Kiev 1 x F.C.PORTO 2






E o meu grito libertador eclodiu do alto da Torre .
Quando já nem eu , cheio de frio e esvaziado de fé ,
acreditava ser possível .
Golo do PORTO ! Golo de LUCHO !

Saí do carro , ignorei o frio , olhei incrédulo o lindo céu
que estava ali mesmo ao pé de mim , e gritei .

Gritei GOLO...! Gritei PORTO !

Acordei grilos e formigas , libelinhas e gafanhotos .
Acordei lagartos , lagartinhas e aves de rapina .
Acordei a fauna e a flora mais as rochas da Serra da Estrela.

E , todos juntos , preservando a biodiversidade , fizemos a festa !

.


7 comentários:

dragao vila pouca disse...

Tu lá em cima e nós cá em baixo, todos gritamos: gooooooooooooolo do Lucho!
Um abraço

vovo otsoga disse...

Pois é meu amigo, o que direi eu, que tive o prazer de privar consigo esses momentos. Sendo eu Benfiquista,só posso manifestar aqui a minha maior admiração por tão grande Paixão. Quem me dera amim, que no dia a seguir, tivesse tido a mesma oportuninade. Enfim, melhores dias virão. Um Abraço.

Anónimo disse...

Segunda-feira, Novembro 10, 2008
MUITO ANTES DA PONTE DA ARRÁBIDA...


Época de 39/40. Enquadramento - o F. C. Porto tinha ficado em terceiro lugar no regional, mas participou no campeonato por causa de uma manobra administrativa. A Federação Portuguesa de Futebol fez o alargamento à pressa, as portas abriram-se. Os portistas foram campeões e estiveram quase a consegui-lo sem derrotas, mas, a 21 de Abril de 1940, perderam no Lumiar. O Sporting venceu por 4-3 com o golo da vitória a ser marcado a 20 segundos do fim. Ângelo César, o presidente da altura, já reclamava os privilégios dos clubes de Lisboa. Na equipa distinguiam-se os croatas Petrak e Kordrnya

Depois de ter conquistado os campeonatos de 38/39 e 39/40, o FC Porto sonhava, pela primeira vez, com o seu terceiro título consecutivo. Mas já na época do "bi" a prova teve que ser alargada de forma a repor a "justiça", após uma decisão da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) contrária à da Associação de Futebol do Porto, que colocava o Leixões no "Nacional", em detrimento dos (campeões) portistas. A ilógica da determinação federativa era tal que a formação de Matosinhos recusou o lugar, alegando que a equipa que deveria estar por direito na fase final era o FC Porto. E o FC Porto, com Mihaly Siska no comando técnico, provou então, que era a melhor equipa nacional Na temporada de 40/41, a FPF radicalizou as suas acções de forma serem mais eficazes. Angelo César, presidente do FC Porto, utilizava, naquela altura um discurso (idêntico àquele que viria a ser retomado por Pinto da Costa) contra os poderes instituídos em Lisboa, contra as arbitragens que prejudicavam constantemente as equipas do Norte favorecendo, por outro lado, as do Sul. E quando se levantou a grande polémica que marcou a época de 39/40, Angelo César clamava por justiça, mais do que nunca. Para não voltarem a ser incomodados e ainda, por cima, obrigados conceder-lhe razão, os senhores da FPF irradiaram o presidente portista. Os portistas elegiam simbmente Angelo César para presidente da Assembleia Geral, mas o grito de revolta ecoava por toda a cidade. Por coincidência (?), desde que a voz incómoda de César foi amordaçada, começaram então as arbitragens que de forma descarada prejudicavam sucessivamente o FC Porto, como se pode constatar na consulta de qualquer jornal da época. Logo no primeiro jogo entre os "grandes", o Sporting recebeu os portistas e ganhou por concludente 5-1. Como se não bastasse o resultado ser tão desequilibrado, o sportinguista João Cruz lesionou gravemente o guarda-redes portista, Bela Andrasik, que foi evacuado para o Hospital de São José. Henrique Rosa, o homem que de negro vestido, pintou a sua actuação de verde e branco, encarregou-se de consentir o terceiro golo na sequência de um fora de jogo claríssimo e validou o quarto tento, quando o guardião Andrasik se contorcia com dores no chão, graças a duas fracturas nos ossos da face, depois da agressão de João Cruz.
A guerra Norte-Sul adensou-se ainda mais quando Carlos Pereira, a meio da época, optava por jogar no Unidos FC, um clube de Lisboa que lhe ofereceu o dobro do vencimento que auferia no FC Porto e ainda 30 contos de "luvas". A equipa portista, sempre comandada por Siska, ainda conseguiria fechar o campeonato com uma vitória de 5-2 sobre o Benfica, mas a derrota consentida no Lima, ante o Sporting tinha-a já atirado irremediavelmente para fora da rota do "tri", naquele em que seria mais tarde recordado como o ano em que os árbitros viraram "anjos negros".

Bolanaarea

runescape account disse...

how can you write a so cool blog,i am watting your new post in the future!

常州升级 disse...

Very rich and interesting articles, good BLOG!

materials disse...

balenciaga handbag
balenciaga handbags
balenciaga
balenciaga bags

www.jsfishnet.com disse...

It seems my language skills need to be strengthened, because I totally can not read your information, but I think this is a good BLOG
landing net