sábado, setembro 05, 2009

BORRADA !















Deco - o mágico - respondeu à letra às disparatadas e inoportunas palavras do bronco Madaíl.
De facto , aquela cabecinha de ouro do famoso homem - camaleão
é uma verdadeira fábrica de disparates em tecnologia de ponta.
Dela , espera-se tudo ou quase tudo .

Inicialmente , era a promessa de melhoria dos prémios monetários aos jogadores em caso de vitória sobre a Dinamarca .
Logo de seguida , face à frontal e correcta posição assumida
por Deco , mudou a promessa da promessa para outros incentivos ( não forçosamente monetários ! ) .
O homem anda sempre ao sabor das ondas !

Na crista da onda , anda a polémica dos brasileiros na Selecção Portuguesa . Este é um tema apaixonante para abordar mais tarde . Depois de , como espero , o moçambicano e os brasileiros
nos ajudarem a chegar a África !

5 comentários:

dragao vila pouca disse...

O Madaíl tem um problema complicado e de resolução difícil: a partir de certas horas fica muito baralhado...

Um abraço

Petição disse...

POR UMA REVOLUÇÃO NO FUTEBOL EM PORTUGAL:
http://www.ipetitions.com/petition/revolucaofutebolportugal/

Ricardo de Sousa disse...

Completamente de acordo.
O senhor Madaíl é uma besta.

E Deco esteve fantástico na resposta. Curioso ter vindo de um nacionalizado.

Abc

AZUL DRAGÃO disse...

Ricardo :

Curiosa a tua observação .
De facto "o nacionalizado " revelou discernimento e frontalidade .

Até nisso faz a diferença !


Um abraço

Anónimo disse...

LABAREDAS


Vai indecorosa e não segura

Depois de Fernando Mendes ter dito que esta senhora (?) tinha intermediado a sua transferência do Sporting para o Benfica, não é que hoje, em pleno tribunal, foi revelado aquilo que os Portistas há muito asseveram? A Pinhão participou directamente numa maquinação literária que resultou em película de qualidade duvidosa e alimentou a raiva clubística de uns quantos pasquins.

«A jornalista Leonor Pinhão reviu datas sobre factos desportivos», declarou Carolina Salgado, esta terça-feira, quando interrogada pelo tribunal.

Camões que perdoe a reinvenção de um dos seus versos mais famosos, mas esta Leonor vai indecorosa e não segura. Cada vez menos segura, no seu pedestal vermelho. Será que continuará calada perante a gravidade das acusações que lhe dirigem?