sexta-feira, fevereiro 05, 2010

A CULPA !















Bastou uma noite de gala no Dragão para que os lacaios do costume
viessem com a estafada conversa da treta :
- Não foi o F.C.PORTO que jogou muito bem ,
mas o Sporting é que não jogou nada !

Quando perdem contra o F.C.PORTO há sempre uma razão :
- Ou é porque jogaram mal ou , então , por culpa do árbitro ,
do Pinto da Costa , ou da cor dos calções .
Claro que nunca é por mérito do F.C.PORTO .
Todos o sabemos !

O que nem todos sabemos é quantos " túneis " mais levará Hulk
se , como se espera , o F.C.PORTO continuar a ganhar !

13 comentários:

dragao vila pouca disse...

Tens toda a razão.
No dia seguinte estava a contar com Grandioso; Superporto; Exibição de gala, etc. Afinal apareceu crise leonina; leão de papel; até apareceu um que parecia que queria que os jogadores e treinadores leoninos se imolassem. Uma tristeza...

Um abraço

fimoze disse...

Receio que ainda não tenhamos visto tudo que este bastardo justiceiro, tem na manga para enfeitar o andor.
Com petróleo ou sem ele, as papoilas penduraram até as cuecas no prego, se não forem campeões, o circo vai pegar fogo.

The Blue One disse...

Caro amigo, tive exactamente a mesma ideia que tu depois do FC Porto ter goleado e com todo o mérito um seu eterno rival de nome Sporting.

A exibição foi perfeita. Mas sabes o que eu disse a mim mesmo quando terminou a partida?

Amanhã os Jornais do costume não vão ligar puto a isto. Até vão desvalorizar este grande jogo do Campeão Nacional.

Acertei em cheio... O que me vale é que eu não lhes ligo puto e é para estas coisas que existe a Blogosfera Portista.

Depois do que fizeram ao Vandinho do Braga, que foi suspenso a pedido e sem provas, nem quero imaginar o que vão fazer ao Hulk...

Grande abraço e saudações Portistas!!!

Anónimo disse...

Horizontes: As escutas


Autor : Fernando Tavares



As escutas dos “Apitos dourado” e “Final”, sabemos hoje, não morreram e se havia alguma dúvida a pairar sobre as reais intenções destes processos, elas ficaram agora completamente esclarecidas. Todo o processo tem um único objectivo: atingir uma pessoa. O que percebemos hoje é que tudo foi conduzido, não pela justiça, mas por justiceiros.

A revelação das escutas na internet mostra bem a que ponto chegamos e deve pôr-nos a todos em estado de alerta. Não é suposto que conversas privadas sejam do domínio público, pura e simplesmente não é suposto.

Já conhecíamos a transcrição dos conteúdos das conversas, mas conseguir ouvi-las já é algo muito mais grave. O argumento “quem não deve não teme” não colhe neste caso. É perigoso deixar decisões nas mãos de justiceiros: eles não avaliam, eles limitam-se a tentar sustentar as teses que defendem e isso torna-os obcecados, logo perigosos. Como podem conteúdos destes aparecer assim em público, os cd’s estão à mão de todos?

Analise-se cada pormenor das conversas, de que queremos que falem os homens do futebol? De política? Economia? Do estado do tempo? De que falam os empresários entre si? De que falam maioritariamente os médicos entre si? Quando um empresário oferece uma acompanhante ao director de uma empresa, nas vésperas de uma reunião importante, está a comprá-lo? Poderá esse director fazer uma má opção em agradecimento por uma noite bem passada? Ou será um agrado, a forma que essas pessoas entendem ser a de receber bem?

Quando João Loureiro pede um determinado árbitro auxiliar está pedir um comprado ou a pedir o melhor, aquele que não erra muito? Pinto da Costa pede um sumaríssimo e é crime? Quantos não foram pedidos em público? A pressão, o lobby, em democracia é crime? Nunca tentamos usar a nossa influência para nada?

Se cada um de nós fosse escutado, quantos divórcios haveria? Quantas mulheres e homens se veriam em maus lençóis se a cara-metade ouvisse aquele comentário feito a uma amiga/o? Quantos homens/mulheres veriam a vida dupla acabar? Quantos empregados perderiam o emprego se o patrão tivesse acesso a essas escutas? O que acham que Cavaco disse de Soares no segredo dos telefones quando era primeiro-ministro? O que pensam que Sócrates chamou a Cavaco? E, etc.,. etc. E, já agora, a propósito do jornalista António Tavares Telles. Que jornalista, no seu perfeito juízo pode desperdiçar uma informação de uma fonte como o presidente do FC Porto? Quantas vezes damos, nós jornalistas, informações que sabemos não passar de hipóteses? De fontes credíveis, é certo, mas hipóteses?

Bem sei que a curiosidade humana é infindável, só que o que é privado, salvo força maior, assim se deve manter. Espero que agora haja responsáveis por esta fuga impensável, espero que alguém justifique porque não foram destruídos os CD’s logo que as escutas fse revelaram inúteis.


Semanário Grande Porto

Anónimo disse...

2010-02-06
“Stewards” e árbitros

Um dos leitores deste blogue deixou há dias um comentário por eu ter dito que, pelos vistos, bater num "steward" é o mesmo que bater num árbitro. Dizia esse leitor que um "steward" está lá para defender os jogadores e por isso uma agressão a um destes homens devia valer ainda uma punição maior.

Foi a Rui Oliveira e Costa, o conhecido sindicalista e adepto do Sporting e ainda membro do painel do programa "Trio d'Ataque" da RTP N - o programa mais visto das televisões por cabo - que ouvi que, se isso é assim, ou seja que, como é interpretação da actual Comissão Disciplinar da Liga, um "steward" deve ser tão protegido como um árbitro, então acabou o futebol". Dizia ele que, nesse caso, era muito mais fácil e muito mais barato contratar "stewards" do que pontas-de-lança e fazia muito mais efeito.

Basicamente estou de acordo com ROC. O que esta CD decidiu - ou está prestes a decidir - no caso que envolve Hulk e Sapunaru e o túnel da Luz, é que esses Assistentes de Recinto Desportivo, como lhes chama a lei, são "agentes desportivos". O que me parece uma enormidade. Para o serem deveriam, creio eu, estar debaixo da alçada disciplinar - ou seja, deviam pagar multas por não fazerem bem o seu trabalho, por exemplo (e envolvendo cada jogo um tão grande número de ADR's, há sempre algum que não faz o serviço direito). Obviamente não há disso, porque a responsabilidade objectiva, pelos regulamentos, é do clube que os contrata. Eles não são agentes ou associações desportivas.

Podemos compará-los a elementos das forças policiais? Não, porque essas são forças do Estado compostas por profissionais e absolutamente neutras. Os ADR's não. É uma diferença fundamental. E há mais, mas não vale a pena ir mais fundo.
Com propostas de decisões como a que está na CD sobre os castigos a Hulk e Sapunaru, os regulamentos disciplinares passam a admitir uma extensão que não está no seu espírito e que não defende o futebol. Pelo contrário, a concretizar-se, esta será uma decisão que lesará gravemente a integridade do futebol.

PS - Uma das razões que levou à constituição da Liga Portuguesa de Futebol Profissional e, depois, a esta assumir também poderes disciplinares, foi, para quem conhece a história destas coisas, a demora que a justiça da Federação apresentava de forma endémica. E melhorou com a Liga. Mas não me digam que três meses para dar um castigo a Vandinho e Mossoró responde a essa preocupação. Ou quase esse lapso de tempo para decidir uma simples multa a Aimar por ter simulado um penalti "sem influência no resultado do jogo". Ou os três meses que vão ser necessários para punir Hulk e Sapunaru. O que manda dizer o dr. Ricardo Costa, presidente da CD, violando se calhar algum "sigilo processual", é que estão dentro do que tem sido o prazo normal. Será. Mas, se a Justiça desportiva, em todo o mundo, tem uma característica própria, essa é a da celeridade. Em todo o mundo não - há uma triste excepção chamada Portugal.
Blogue De Trivela

Anónimo disse...

O caso Calabote em livro
Hoje é apresentado o livro 'O caso Calabote', do jornalista João Queiroz, com prefácio de Álvaro Magalhães. A apresentação será feita por Rui Moreira e irá decorrer na Livraria Bertrand, no centro comercial Dolce Vita Porto, a partir das 17h30.

Em entrevista ao jornal i, João Queiroz refere que fez uma vasta pesquisa, em que analisou dezenas de jornais da época e fez questão de entrevistar as pessoas que estiveram ligadas à história.

O ano passado fiz uma pesquisa sobre este tema, que publiquei em 10 artigos no 'Reflexão Portista', onde fica claro que o designado caso Calabote é muito mais que um mero caso de arbitragem. Antes traduz o que era o futebol português há 50 anos atrás
in Reflexão Portista

Anónimo disse...

Túnel da Luz

FC Porto apresenta parecer em que defende pena de um a quatro jogos para Hulk e Sapunaru
06.02.2010

O jurista João Leal Amado, especialista em Direito Desportivo, defende que as agressões de Sapunaru e Hulk a um assistente de recinto desportivo (steward) no túnel do Estádio da Luz devem ser penalizadas com uma pena de um a quatro jogos.

Isto porque, segundo aquele professor auxiliar da Faculdade de Direito de Coimbra, um steward é um “vigilante de segurança privada” e “a ordem jurídica não confunde as forças de segurança com os assistentes de recintos desportivos”. É com base nesta argumentação que o FC Porto deverá apresentar recurso junto do Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Futebol (FPF).

No parecer a que o PÚBLICO teve acesso, João Leal Amado considera que “não faltam boas razões para duvidar do acerto” do “enquadramento regulamentar” da acusação a Hulk e Sapunaru pela Comissão Disciplinar (CD) da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP).

Contra os dois jogadores do FC Porto foram, recorde-se, deduzidas acusações nos termos das quais ambos teriam praticado infracções disciplinares muito graves contra “delegados ou outros intervenientes no jogo com direito ou permanência no recinto desportivo”, infracções puníveis com sanção de 6 meses a três anos, segundo o artigo 115.º, n.º 1, al. f, do regulamento disciplinar da LPFP. Mas, para o jurista, os “assistentes de recinto desportivo não são ‘intervenientes no jogo’, eles são, em certo sentido, justamente o oposto disso, visto que uma das suas tarefas centrais consiste em evitar que os espectadores possam intervir e perturbar o normal desenrolar do jogo”. No seu entender, “em princípio” não estão “autorizados a aceder e a permanecer num túnel de ligação entre o recinto de jogo e os balneários”.

João Leal Amado considera, assim, que “não se vislumbram razões válidas para enquadrar” as agressões de Hulk e Sapunaru no artigo 115.º. “Parece-nos estranho que o instrutor

acusador diga, preto no branco, que estabelece esse artigo que o jogador que cometa agressão contra outro interveniente no jogo com direito de acesso ou permanência no recinto desportivo, entre os quais o assistente de recinto desportivo, é punido com pena de suspensão de 6 meses a 3 anos e multa (...)”, cita. E questiona: “Como!? Entre os quais assistente de recinto desportivo!? O preceito diz isso? Não diz. O preceito não faz menção a qualquer assistente de recinto desportivo.”

Em conclusão, é referido que os jogadores não poderão “ser objecto de outra punição senão a prevista para as hipóteses em que um jogador agride qualquer outro elemento do público, nos termos do art. 120.º do regulamento disciplinar da Liga, que já qualifica a respectiva conduta como uma infracção disciplinar grave”, punível com uma pena de um a quatro jogos.
in Publico

Anónimo disse...

Calabote deixou escola…
Publicado por CAA em 6 Fevereiro, 2010

O sr. árbitro que actuou em Setúbal não merecia aquilo: com a ajuda do seu assistente, fabricou foras-de-jogo, anulou um golo limpo, perdoou a expulsão de Maria, e, já em desespero, inventou um penalty ao nonagésimo minuto! E nem assim… Realmente, um árbitro faz o que pode (e muito mais do que é obrigado) mas, por enquanto, ainda não pode fazer tudo, tudo, tudo – nem todos são Ricardos Costas, que diabo!
Muito a propósito, amanhã, domingo, será lançado um livro que narra a história da figura referencial da arbitragem lusa, um exemplo imitado, repetido, plagiado, vezes sem conta e durante anos a fio, sem dúvida nenhuma o espectro que pairou hoje em Setúbal: o sr. Calabote.
O autor é João Queiroz e a apresentação de Rui Moreira – amanhã, domingo, às 17.30h, na livraria Bertrand do Dolce Vita, no Porto.
in Blasfemias

Anónimo disse...

Na quarta/Feira Hulk e Sapunaru perfazem 11 jogos de castigo mais que Pepe (RMadrid) que não foi alvo de provocações!!!!!!!!!

Continuem a lembrar o facto e a denunciar.

Anónimo disse...

Isto afinal é um campeonato de futebol ou TUNEBOL ???!!!

Pedro Rocha disse...

A capa do record na quarta feira passada é sintomática deste sentimento anti Porto que está enraizado no nosso país. Não, nunca poderia ter sido o FCP a demonstrar toda a sua classe e poderio, afinal de contas fora o Sporting que estivera muito mal. Enfim!

Abraço

dragao vila pouca disse...

Pois é meu caro, lá vamos até à tua terra.

Se não foose contra os vermelhos até era capaz de ir. Assim não vou.

Abraço

AZUL DRAGÃO disse...

Meu caro Vila Pouca :

Não é "a minha terra" mas é a terra em que estou com gosto.

Olha , que também eu ainda não sei se vou . A confusão vai ser muita!

Um abraço